Sexta em Festa – E com 3 são 9!

E hoje, nesta Sexta em Festa, continuamos com mais 3 conselhos para um jantar perfeito!
Desta feita, vou-me concentrar mais na logística necessária numa cozinha com muitas zonas de trabalho.

1. Deixe sempre tudo limpo a cada passo

Lembra-se do filme Ratatouille? Uma das coisas que apreciei nesse filme foi a quantidade de informação e detalhe na descrição do trabalho e logística de uma cozinha de restaurante, especialmente as suas regras de ouro. Uma delas era precisamente Keep your station clear!, “Deixe a sua zona de trabalho sempre livre!”. É de extrema importância que, à medida que avançamos na preparação do Jantar vamos deixando atrás de nós loiça limpa e superfícies libertas para o que virá a seguir por vários motivos. O primeiro é mais evidente: se vai utilizar a mesa a seguir para fazer um docinho, convém que a mesma não tenha espinhas de peixe ou restos de cebolas. Os outros motivos prendem-se com os usos normais de uma cozinha e o tráfego de pessoas na mesma: quem tem crianças pequenas sabe do que estou a falar. Nada pior para quem está a cozinhar do que ter várias formiguinhas a marchar no sítio onde esteve a cozinhar, ainda por limpar.

Pense nisso como uma doença infecto-contagiosa: o que sujou numa determinada área da sua cozinha e não limpou, irá multiplicar-se pelo resto da casa como uma epidemia e acaba por ter sofás com recheio de farinha, cadeiras com restos de chocolate ressequido e o chão improvisamente transformado numa pista de patinagem (e não vale a pena mencionar os ingredientes passíveis de veicular essa transformação).

Depois, é sempre bom acabar uma refeição tendo só os pratos, copos e talheres (e travessas) para limpar no fim e com espaço para os meter em água na banca.

2. Use áreas diferentes para cada actividade

Se o seu tempo não é muito ou tem de esperar que um determinado prato acabe de cozinhar, é sempre melhor ir fazendo outras coisas contemporaneamente, mas para isso precisa de criar espaços diferentes. Enquanto a zona do fogão está ocupada com um tacho, colheres de pau sujas e especiarias, pode sempre ir para o balcão do outro lado preparar a salada ou começar a preparar os ingredientes para o bolinho na ilha da sua cozinha ou numa mesa improvisada à parte. Nada pior para um prato que está a cozinhar do que ficar com falta de espaço para manobras. Mesmo a protagonista da Festa de Babette com tanta iguaria e tanto prato e até uma tartaruga inteira no meio da cozinha sabia isto.

Planeie com antecedência as zonas que vai utilizar e para o quê e quem as vai utilizar. E não se esqueça de criar espaços para lixo que não estejam em cima do acontecimento para não haver misturas de cheiros ou outras coisas piores.

3. Prepare os ingredientes do que vai cozinhar antes de começar

Disponha taças, tacinhas, colheres, pratos e até uma balança em cima do balcão ou mesa onde vai começar a próxima aventura gastronómica. Certifique-se que não precisa de mais nada em termos de utensílios. Agora vá buscar todos os ingredientes necessários e comece a doseá-los para dentro das tacinhas e taças com as colheres de medida e balança, assegurando-se de ter feito bem as suas medições ou eventuais conversões de medidas. Vá guardando todos os ingredientes no seu pacote de origem no sítio onde estavam se já não vai precisar mais deles. Confirme duas vezes que tem tudo para iniciar e que a zona que escolheu tem uma tomada por perto e uma banca com água pronta para lá colocar o que vai utilizando. Agora sim: está pronta para começar.

De outra forma, se não perder 10 a 15 minutos com esta preparação irá ter de se conformar com a chamada “Tarantella della Cucina”: uma dança característica protagonizada por si pelas gavetas, prateleiras e armários de cozinha à procura dos ingredientes enquanto os vai misturando, deixando um reconhecível rasto de manteiga, farinha e outros componentes por todo o lado onde passa a mão. A não ser que esteja a precisar desesperadamente de exercício físico e não tenha tempo suficiente para dar um passeio ou ir a um ginásio, não aconselho este tipo de danças na cozinha, sobretudo se não tiver muito tempo para gastar.

Finalmente, posso dar por concluída a sequência de dicas e conselhos destas últimas 2 semanas. Espero que possa ter contribuído para jantares mais organizados e repastos mais harmoniosos!

Boa Sexta e Bons Repastos!

BABETTE
 

About the Author:

Decidida, perseverante e viciada em desafios, mãe de 3 filhotes e esposa de italiano, a Rita é também, nas horas vagas, licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas e Portuguesas, um curso que, indirectamente, a impulsionou a descobrir o mundo, ainda inexplorado, dos dispositivos médicos e da criopreservação de células estaminais, onde exerceu um papel de relevância no apoio logístico. Teve desde cedo o bichinho da organização, com a mania de querer sempre melhorar tudo e encontrar soluções para toda a gente e foi nesses dois âmbitos dos serviços médicos que começou a perceber que havia ali algum padrão reconhecível e caminho a singrar. Acabou a seguir o trilho de Professional Organizer, profissão ainda desconhecida em território português, fez formação nos Estados Unidos e tornou-se numa das POs pioneiras em Portugal, com formação certificada pela NAPO (National Association of Professional Organizers) da qual é também membro. Já andou pelo Consulado de Itália no Porto e pelo ramo imobiliário, mas é na OrganiGuru, a escrever o seu blog de ideias de organização (OrganiBlog) e a ajudar clientes a organizarem-se melhor que a Rita se sente como peixe dentro de água. Perita também na gestão de projectos e pessoal, nos seus tempos livres adora viajar e aprender novas línguas, deixar no perfil do FB as mil e uma ideias que lhe passam pela cabeça, resolver o cubo de Rubik 3x3 (quase) em apneia e aventurar-se pelo mundo da pastelaria, a sua catarse e terapia pessoal, sobretudo se envolver chocolate com 70% de sólidos de cacau. E uma cervejinha artesanal.

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.