Peça à Terça – Tudo sobre Estudo (5)

Estamos já na recta final do ano lectivo! Tudo parece afunilar-se e o ritmo é vertiginoso.

Para muitos estudantes estamos em plena época de exames com toda a logística que isso implica. Como tal, planeamos para esta semana mais 3 verbos para ajudar a organização estes últimos momentos de batalhas campais com os nossos conhecimentos:

7. Anotar

A grande jangada de salvação de qualquer pessoa é a sua capacidade de registar, ferramenta que se torna imprescindível para qualquer estudante. Esse acto dá-nos a possibilidade de congelar em palavras tudo o que naquele determinado momento nos ocorre e que no momento a seguir poderá já não estar tão presente e, chegados ao final do dia, poderá já nem fazer parte da nossa memória a médio ou a longo prazo.

Um pensamento, um raciocínio, uma tarefa a fazer mais tarde, um nome ou uma indicação são, no dias que correm, tão voláteis como a chama de um fósforo e destes dependem muitas situações que nos fazem avançar e passar à fase seguinte. Como tal, afigura-se uma série de acções que poderão ajudá-lo a anotar com mais precisão e assertividade:

-Traga sempre consigo um bloco de notas e uma caneta, suficientemente portáteis para caberem na sua carteira;

-Sempre que lhe ocorrer uma ideia, raciocínio ou algo a apontar, contextualize: se se trata de uma tarefa especifique quando deverá ser feita e para que efeito; se se trata de um raciocínio, não se esqueça de frisar em que situação se insere; se se trata de um contacto, refira a relação que tem com esse contacto e como a estabeleceu;

-Reserve uma parte diferente do seu bloco de notas para cada coisa: de nada lhe vale apontar uma tarefa ou um lembrete acerca do material do seu filho que terá de repor se estiver enfiado na mesma página em que faz dissertações sobre uma situação derivada da sua área profissional;

-Coloque etiquetas ou post-its de cores por prioridades se usar o seu bloco de notas como lista de tarefas: as cores são uma óptima ajuda e ajudam a chegar com mais rapidez ao que pretende;

-Lembre-se de ir actualizando o seu bloco de notas, riscando o que já fez, quer se trate de uma lista de tarefas, quer se trate de um raciocínio para aquela disciplina que anda a estudar.

cwln65l

“Os antigos blocos de notas eram óptimos!
Porque precisamos de novos com perfume para machões?”

8. Verificar

Este é talvez o verbo mais ingrato na nossa lista e o mais menosprezado, não deixando de ter uma importância fulcral no âmbito de estudo tão essencial quanto o planeamento. O que este verbo focaliza é na verdade o que comunmente se chama a manutenção.

Quer se trate de um estudante de faculdade ou de liceu ou um educador/progenitor, é relevante ter bem assente este conceito: de vez em quando há que recorrer à verificação dos cadernos de estudos, da lista de tarefas, dos materiais ou da logística de apoio ao estudo e, sobre este aspecto, também temos algo a dizer:

-Planeie 1 verificação por mês, no mínimo, se for estudante ou 1 verificação por semana se for educador: quanto mais vezes verificarmos o que falta ou o que falta fazer, mais preparados estaremos para qualquer eventualidade;

-Inclua na sua verificação tudo o que está directamente e indirectamente relacionado com o âmbito do estudo: cadernos, livros, materiais de escrita, desenho e derivados, mochila, lancheira, pasta e dossiers, secretária e outros pertencentes à área de estudo, mochila da ginástica, vestuário da escola e das actividades físicas extra-curriculares, etc;

-Seja minucioso e assertivo na verificação: de nada lhe vale uma verificação se não for bem feita ou se tender para a procrastinação – mais vale ser detalhado agora do que impreparado amanhã;

kscn322l

Está na altura de fazer uma pequena verificação à mochila do seu filho…

9. Reservar

Para além da verificação está também aquilo que eu gosto de chamar a nossa pequena reserva natural ou o espaço de reflexão que todos precisamos para dar continuidade ao processo educativo. Se for educador/progenitor este momento traduz-se com aquele momento de paragem em que fala mais a fundo com o seu filho para sondar como estão a correr as coisas na escola.

Na verdade, existem vários tipos de reservas ou paragens. Primeiro estão as que fazemos todos os dias, mais para descanso do que para verdadeira reflexão e pouco dedicados a aprofundar a questão. Depois temos umas paragens a meio termo, uma vez por semana, em que há já algum espaço para uma reflexão relativamente à semana que passou e à evolução de que fomos protagonistas (ou os nossos filhos).

Finalmente, temos aquele momento que não ocorre com muita frequência mas que serve para fazermos o tão badalado ponto da situação. Papás e Mamãs, em especial, este é talvez o momento mais importante, o único em que podem realmente saber em mais detalhe e com mais profundidade tudo aquilo com que o vosso filho está a lidar e, mais importante do que qualquer outra coisa, o ponto de vista dele e a forma de reagir que nos deixam entrever de que forma podemos nós orientar, ajudar e apoiar.

Não há conselhos suficientes ou adequados a dar aqui. Tudo parte das nossas sensações e das relações que vamos estabelecendo com os nossos filhos e connosco mesmos. Talvez a palavra chave aqui seja Consciência. Faça da sua reserva natural um espaço em que esta palavra possa ser alimentada e materializada.

122872-33649

“Ela acabou de me chamar materno-fascista…”

Para a semana iremos enveredar por uma vertente mais lúdica do estudo. Prontos para brincar?

Boa Terça e Boas Reservas!

About the Author:

Decidida, perseverante e viciada em desafios, mãe de 3 filhotes e esposa de italiano, a Rita é também, nas horas vagas, licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas e Portuguesas, um curso que, indirectamente, a impulsionou a descobrir o mundo, ainda inexplorado, dos dispositivos médicos e da criopreservação de células estaminais, onde exerceu um papel de relevância no apoio logístico. Teve desde cedo o bichinho da organização, com a mania de querer sempre melhorar tudo e encontrar soluções para toda a gente e foi nesses dois âmbitos dos serviços médicos que começou a perceber que havia ali algum padrão reconhecível e caminho a singrar. Acabou a seguir o trilho de Professional Organizer, profissão ainda desconhecida em território português, fez formação nos Estados Unidos e tornou-se numa das POs pioneiras em Portugal, com formação certificada pela NAPO (National Association of Professional Organizers) da qual é também membro. Já andou pelo Consulado de Itália no Porto e pelo ramo imobiliário, mas é na OrganiGuru, a escrever o seu blog de ideias de organização (OrganiBlog) e a ajudar clientes a organizarem-se melhor que a Rita se sente como peixe dentro de água. Perita também na gestão de projectos e pessoal, nos seus tempos livres adora viajar e aprender novas línguas, deixar no perfil do FB as mil e uma ideias que lhe passam pela cabeça, resolver o cubo de Rubik 3x3 (quase) em apneia e aventurar-se pelo mundo da pastelaria, a sua catarse e terapia pessoal, sobretudo se envolver chocolate com 70% de sólidos de cacau. E uma cervejinha artesanal.

Leave A Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.