Férias para que vos quero!

Aproxima-se cada vez mais o momento por que muitos esperam ao longo de todo o ano. É o momento em que finalmente podemos suspender por um breve tempo as nossas preocupações relacionados com o trabalho, com a escola, com a casa e aproveitar bem a família, passando grandes momentos de qualidade, enquanto se aproveita o sol, a praia, a casa de montanha e se veste o papel de turista e de bon vivant. Estamos a falar das nossas amigas férias, aquela recompensa final por meses e meses de duro trabalho!

De longa ou curta duração, fora ou dentro do país, todos os planos de férias começam com uma grande pergunta: o que vamos nós precisar de gastar?

É uma pergunta pertinente, sobretudo numa fase em que muito se fala de crise e contenção de despesas. É essencial saber planear e antecipar com tempo suficiente e de forma pormenorizada o orçamento que melhor encaixa no perfil de família e, sobretudo no seu perfil de gastos, para evitar surpresas desagradáveis no final das férias.

E quando fazer este orçamento? Tudo dependerá de onde quererá ir, se é novidade ou não e se é preciso reservar alguma coisa. De todas as formas, é sempre melhor prevenir-se e fazer com bastante tempo, de preferência 1 a 2 meses antes (se for para algum sítio muito requisitado, talvez até antes disso).

Para isso há que dividir este orçamento por partes:



A VIAGEM

Irá de carro ou de avião?

Se for de carro terá que contar com custos relacionados com a gasolina/gasóleo ou GPL e portagens pelo menos.Ao fazer o seu trajecto de viagem, tente inserir no mesmo paragens em bombas de gasolina que tenham preços mais convenientes. Se não puder fazê-lo, convém abastecer o carro na véspera nas bombas mais baratas perto da sua residência. Tenha também em conta o trajecto em si: tem alternativas mais baratas no que diz respeito a gastos? Poderá optar por trajectos sem portagens?

Outra coisa a considerar é também a data de viagem: evite as datas perigosas e mais passíveis de encontrar trânsito. O final e início dos meses (Junho, Julho e Agosto) são sempre a evitar se puder. Opte por viajar durante a semana e a horas de pouco trânsito, como poderão ser as primeiras horas da manhã (entre as 6:00 e as 8:00). É importante salientar que quanto maior for o peso que carregar consigo no carro, mais combustível gastará, portanto “destralhe” as suas malas e viaje leve!

Fica aqui a sugestão de um site onde poderá programar a sua viagem: Via Michelin

Quanto à viagem de avião, torna-se um pouco mais simples: terá simplesmente de procurar as datas mais convenientes e ir procurando a viagem ideal com a companhia que melhores condições de preço/qualidade vos oferece. Não se esqueça de ler muito bem tudo o que diz respeito a preços extra de bagagens e quando lhe compensa reservar as mesmas (muitos sites optam por cobrar mais se a reserva de bagagem for feita num momento posterior à compra do bilhete.

E não se esqueça do check-in! Fica aqui uma boa sugestão de site de procura de viagens de avião: SkyScanner



ESTADIA

Poderá ser complicado se não conhecer bem o sítio para onde vai e por isso é importante começar quanto antes a procurar o hotel / estalagem / apartamento / bed and breakfast / parque de campismo para a vossa estadia. Compare preços, compare condições e calcule também as distâncias entre o local de estadia e as atracções que querem ver (sejam elas uma simples praia ou um museu ou um parque aquático.

Veja também se o hotel em questão tem meia-pensão e se lhe fica mais barato, dependendo das actividades que irá fazer nos dias de férias. 

Faça um bom estudo de mercado, faça os telefonemas necessários e aproveite ao máximo as promoções existentes. É igualmente importante ir lendo os comentários de pessoas que já estiveram hospedadas no hotel em questão para perceber se o mesmo corresponde ou não às expectativas. Melhor ainda: leia comentário e apreciações de tipos de hóspedes que mais se assemelhem à vossa tipologia (casais jovens, casais com filhos, casais idosos, etc).

Existem vários sites de procura, mas o meu preferido e o mais conhecido é o seguinte: Booking



REFEIÇÕES

É talvez um dos tópicos de viagem que se deixa para trás e um dos que apanham as pessoas de surpresa. Nunca é demais dizer: Planeie as suas refeições!

Irão comer fora todos os dias? Irão comprar víveres num supermercado da zona? Se sim, a quanto dista do hotel / local da vossa estadia? Os preços diferem muito do vosso supermercado local? Dá para aproveitar alguma promoção? Vão trazer alguns víveres a longo prazo de casa?

E sim, não é um tópico fácil, nem tão pouco agradável, mas é importante. Todos gostaríamos de poder não ter que pensar neste tópico e ter orçamento suficiente para ir comer todos os dias onde nos apetecer mas ao menos que o budget que tenha para as férias seja infinito ou que tenha assaltado um banco (ou que seja dono de um), não recomendo deixar este tópico de parte.

Se optar por fazer a maior parte das refeições em casa (sobretudo se ficarem num apartamento ou parque de campismo), certifique-se de que tem tudo o que precisa para poder confeccionar essas refeições ou se esses utensílios existem no local (no caso dos apartamentos, pergunte sempre de todas as formas). Se realmente não tiver ainda nada, está na hora de ver preços e fazer um pequeno orçamento para utensílios de cozinha, sobretudo se for acampar.

Se planear pelo menos uma refeição fora por dia, estime o preço dessa refeição e junte sempre mais uns trocos, lembre-se que estará de férias o que quer dizer que irá estar mais relaxado e com menos atenção a conter custos, ou seja, provavelmente irá aceitar que o seu filho peça mais uma cola ou irá pedir aquele pratinho de camarão só porque “eu mereço, estou de férias!”

Veja também preços locais, nada que uma boa pesquisa na net não possa responder.



ACTIVIDADES

Já calculámos estadia, viagem e refeições. Seguem-se por isso as actividades, que serão talvez o tópico mais rápido de calcular, mas também um dos mais perigosos, por várias razões: plano do dia mudado à última hora, preços actualizados com que não se contava, aquele souvenir que o filho pediu.

Faça por ter tudo bem calculado e por utilizar ao máximo os motores de pesquisa para descobrir tabelas de preços, novidades, promoções, etc. Em todo o caso, convém telefonar por vários motivos: confirmar disponibilidade, actualizar preços, descobrir se existem mais promoções ou novidades não anunciadas, perguntar acerca de estacionamento.

Depois trata-se de reunir a famelga e certificar-se que se encontram na mesma página no que a actividades diz respeito. De nada adianta programar uma ida ao zoo se toda a gente prefere ir à piscina. Se houver discordâncias, pode sempre planear um dia para cada coisa em separado e comprometer-se, comprometendo os outros (o famoso “qui pro quo” ou “do ut des”).

Finalmente, imponha regras: se tem filhos estabeleça que a entrada que irão pagar para aquela atracção em específico é o dinheiro que poderão gastar, portanto qualquer tipo de souvenir está completamente fora de questão. Se não cumprirem, estabeleça uma “penalidade por incumprimento” ou “pedinchice a mais” (que poderá ser desde “lavar os pratos” a “varrer o chão”)

Simples.



PRENDAS

Apetece não apetece? Estamos num sítio paradísiaco e começamos a lembrar-nos de todas as pessoas que conhecemos que iriam adorar estar no nosso lugar e começamos a sentir aquele sentimento de culpa tão familiar de quem, lá bem no fundo, não acha que mereça estar a ter prazer durante as férias. E para compensar que tal gastar um dinheirinho extra numa prendinha? Para o pai, para a avó, para a tia, mas depois também temos de comprar para o Tó, para a Lili, etc etc. Quando damos por ela, fomos levado pelo nosso sentimento de culpa e pela onda consumo-turística do local.

Por norma, estando do outro lado da questão, parece-me que o argumento da culpa possa ser suplantado se racionalizarmos a questão pensando simplesmente: “Ora bolas, porque não haveria eu de merecer isto tudo? Não trabalhei eu aqueles meses todos?” Se o sentimento persistir, aconselho terapia séria. Claro que merece umas férias!

Ora, falando a título pessoal e tendo já estado várias vezes nessa situação, sei que não é fácil resistir à tentação de comprar a dita prendinha. Gostamos demasiado das pessoas que nos rodeiam e faz parte da nossa natureza como seres sociais querer partilhar as nossas alegrias.

Por isso, só tenho um conselho: imponha um limite por prenda, um limite de pessoas a quem comprar a prenda e seja implacável. Combine com a sua cara metade ou até com os filhos uma palavra-chave para que alguém possa lembrar a outra pessoa que está a passar esse limite.

E pratique a NÃO COMPRA: se acha que está a comprar tralha para os outros, pare e pense; se o motivo que o leva a comprar é outro e sente falta da pessoa, pegue no telefone e ligue a essa pessoa; nada como reflectir bem e ter pensamento crítico para se livrar da onda consumista.



IMPREVISTOS

Porque está de férias. Porque imprevisto acontecem SEMPRE. Porque não conhece o sítio para onde vai. Porque a dada altura vai precisar de uma farmácia, Porque sim.

Coloque sempre um valor de parte para imprevistos. Sempre. Sem Excepções. Seja 100, 200 ou 300 euros, nunca negligencie este tópico.

E não se esqueça, sobretudo, de se divertir! Aproveite bem essa família!

Boas Férias!


About the Author:

Decidida, perseverante e viciada em desafios, mãe de 3 filhotes e esposa de italiano, a Rita é também, nas horas vagas, licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas e Portuguesas, um curso que, indirectamente, a impulsionou a descobrir o mundo, ainda inexplorado, dos dispositivos médicos e da criopreservação de células estaminais, onde exerceu um papel de relevância no apoio logístico. Teve desde cedo o bichinho da organização, com a mania de querer sempre melhorar tudo e encontrar soluções para toda a gente e foi nesses dois âmbitos dos serviços médicos que começou a perceber que havia ali algum padrão reconhecível e caminho a singrar. Acabou a seguir o trilho de Professional Organizer, profissão ainda desconhecida em território português, fez formação nos Estados Unidos e tornou-se numa das POs pioneiras em Portugal, com formação certificada pela NAPO (National Association of Professional Organizers) da qual é também membro. Já andou pelo Consulado de Itália no Porto e pelo ramo imobiliário, mas é na OrganiGuru, a escrever o seu blog de ideias de organização (OrganiBlog) e a ajudar clientes a organizarem-se melhor que a Rita se sente como peixe dentro de água. Perita também na gestão de projectos e pessoal, nos seus tempos livres adora viajar e aprender novas línguas, deixar no perfil do FB as mil e uma ideias que lhe passam pela cabeça, resolver o cubo de Rubik 3x3 (quase) em apneia e aventurar-se pelo mundo da pastelaria, a sua catarse e terapia pessoal, sobretudo se envolver chocolate com 70% de sólidos de cacau. E uma cervejinha artesanal.

Leave A Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.