Mais Ambiente, Menos Plástico!

Continuando a nossa conversa…

Há uns dias atrás quis falar um bocado sobre a calamidade de que somos todos responsáveis: o plástico nos nossos oceanos, nos nossos hábitos e nas nossas vidas! Neste artigo aqui!

A esse respeito dei algumas dicas que podem ajudar a mudar alguns desses hábitos e começar a fazer algo mais para além da reciclagem que, infelizmente, já não é suficiente. Hoje quero dar continuidade a esta senda e trazer-vos mais alguns conselhos (e há tantos!).

Usa as caixas de gelado como tupperware

Esta é clássica e aposto que não venho aqui falar de nenhum segredo bem guardado dessas cozinhas por aí fora. Penso que por este andar todos nós usamos as caixas de gelado desta forma, às vezes até com algum exagero, algo que se tornou o foco de uma dos meus artigos.

No entanto, para quem ouve pela primeira vez falar nesta troca de funções aqui vai: sempre que comprares caixas de gelado e se estiveres a precisar de caixas de armazenamento de comestíveis (aka tupperwares) juntas o útil ao agradável e ficas com o assunto resolvido. Ou não? O essencial é fazer tudo com peso e medida:

  • verifica se efectivamente precisas de ficar com essas caixas, caso contrário ficas com uma infestação de caixas de gelado em casa de que não te irás livrar com facilidade;
  • verifica também se a caixa serve o propósito que queres – faz-lhes perguntas:
    • És robusta o suficiente?
    • És fácil de limpar?
    • És lavável?
    • Aguentas temperaturas altas e baixas?
    • Poderás ser utilizada para outras funções, como por exemplo, para guardares canetas e lápis de cor?

Se as respostas te satisfizerem acabaste de ganhar um acessório todo prático sem gastares mais dinheiro e sem estares a causar um dano adicional ao ambiente.

E da próxima vez que comprares gelado, podes sempre optar por lojas ou marcas que tenham caixas biodegradáveis. Fica a sugestão.

Saco fruta

Traz sacos de pano para frutas e legumes

Esta é uma ideia que ainda está em beta test, pelo menos cá em casa, mas penso que irá ter resultados bem positivos. É algo que vi fazer com alguma frequência nos supermercados em Itália, sobretudo nos vicoli de Génova (terra natal do meu marido).

Trata-se de usar os sacos de pano  (de lojas como a Misako, por exemplo) no supermercado para pesar as frutas e legumes. Neste caso, estamos a deixar de usar os famigerados sacos de plástico fornecidos pelos supermercados que normalmente se caracterizam por terem uma durabilidade menor que uma prenda de Natal electrónica nas mãos de 3 miúdos com um ataque de histeria no próprio dia de Natal.

Para esta operação terás de usar 2 ou 3 sacos. Bastará colocar a fruta/legume desejado no saco que vai ser usado para pesar. Retirar a mesma juntamente com a etiqueta. E colocar tudo num segundo saco com a etiqueta. No final, terás uma lista de etiquetas agarradas ao mesmo saco mas não há problema. Desde que tenham sido pesados devidamente e que o preço esteja correcto, em princípio não há razão para preocupações. Poderás eventualmente avisar quem se encontra na zona das frutas e legumes da tua intenção, assim será mais fácil.

Em alternativa, traz um saco de pano por cada tipo de fruta e legume, mas terás de ter sempre as quantidades previstas. Ou então trazer um saco grande para frutas e outro para legumes, mais um saco para a pesagem. Fica ao teu critério.

Para já estamos a testar a ideia, depois vou dando notícia dos resultados!

Película Aderente

Deixa de usar película aderente

Esta poderá parecer uma tarefa hercúlea mas curiosamente, pelo menos para mim, até foi bem fácil de implementar. Curioso ver como achamos que dependemos muitos do que nos rodeia quando, na verdade, até passamos bem sem muita coisa.

Alguns truques para deixar este hábito:

  • não facilites: usa os tupperwares e evita utilizar o prato de origem onde estava a comida que sobrou;
  • utiliza alternativas: existem algumas alternativas viáveis no mercado (esta, esta e mais esta);
  • evita deixar restos: programa as tuas refeições e doses das mesmas de maneira a não ficar com sobras;
  • usa de vez em quando o alumínio, em poucas quantidades.

Sim, estou a sugerir a utilização de um material que também pode ser potencialmente danoso para o ambiente. Mas tem algumas vantagens, sobretudo se a única alternativa for a película aderente:

  • pode ser reutilizado com mais facilidade visto que se deteriora menos (falo de um mesmo contexto de utilização, por exemplo, para cobrir uma melancia que vai sendo cortada dia para dia);
  • é mais eficaz a proteger os alimentos do que a película aderente;
  • é mais resistente portanto a probabilidade de ficar amachucado quando estiveres a utilizá-lo é bem menor.

Zona de Lançamento de Reptos…

Acabo este artigo lançando um importante repto:

Que mais podemos fazer para albergar a mudança para um mundo sem plásticos? Que mais posso eu fazer nos meus hábitos diários para alterar o paradigma?

Pensa bem, reflecte e se quiseres partilha as tuas ideias e enriquece este artigo!

 

About the Author:

Decidida, perseverante e viciada em desafios, mãe de 3 filhotes e esposa de italiano, a Rita é também, nas horas vagas, licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas e Portuguesas, um curso que, indirectamente, a impulsionou a descobrir o mundo, ainda inexplorado, dos dispositivos médicos e da criopreservação de células estaminais, onde exerceu um papel de relevância no apoio logístico. Teve desde cedo o bichinho da organização, com a mania de querer sempre melhorar tudo e encontrar soluções para toda a gente e foi nesses dois âmbitos dos serviços médicos que começou a perceber que havia ali algum padrão reconhecível e caminho a singrar. Acabou a seguir o trilho de Professional Organizer, profissão ainda desconhecida em território português, fez formação nos Estados Unidos e tornou-se numa das POs pioneiras em Portugal, com formação certificada pela NAPO (National Association of Professional Organizers) da qual é também membro. Já andou pelo Consulado de Itália no Porto e pelo ramo imobiliário, mas é na OrganiGuru, a escrever o seu blog de ideias de organização (OrganiBlog) e a ajudar clientes a organizarem-se melhor que a Rita se sente como peixe dentro de água. Perita também na gestão de projectos e pessoal, nos seus tempos livres adora viajar e aprender novas línguas, deixar no perfil do FB as mil e uma ideias que lhe passam pela cabeça, resolver o cubo de Rubik 3x3 (quase) em apneia e aventurar-se pelo mundo da pastelaria, a sua catarse e terapia pessoal, sobretudo se envolver chocolate com 70% de sólidos de cacau. E uma cervejinha artesanal.

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.