Peça à Terça – Prático e útil

Chegados a mais uma Terça, a pergunta da praxe: tem alguma questão a colocar ou algum problema a resolver? Lembre-se que estamos aqui para arranjar soluções e soluções é algo que temos a pacotes! E agora é a nossa vez de divulgar o pequeno inquérito desta semana: qual é o vosso objecto de eleição, o que vos permite sair de qualquer situação complicada de uma assentada de uma forma prática, rápida e simples? Avancem com as vossas propostas e pensem fora da caixa! Por vezes os objectos supreendem-nos pela variedade de utilizações que podemos atribuir-lhes, mesmo para além do que é publicitado!

O meu objecto de eleição, que posso definir como o meu pequeno grande salva-vidas e que ocupa um lugar fixo na minha carteira é um pequeno rolo de sacos de congelação.

Sim, ouviu bem, sacos de congelação!

Desde que enveredei pela carreira de mãe, com muitos projectos em mão (3 mais especificamente), tem-se apresentado diante de mim muitos desafios que exigiram de mim uma resposta diferente. Por via das circunstâncias e com o instinto de sobrevivência que acompanha todas as mães em variadíssimas e vivíssimas situações que trazem a memória cores, cheiros e sensações tácteis sobejamente intensas (hoje ando muito eufemística), comecei a ver no simples saco de congelação uma solução rápida, simples e sobretudo prática. Pode servir para muitas situações:

-serve para guardar fraldas sujas em qualquer situação que exiga colocá-las num contentor temporário que bloqueie cheiros (em casa de uns amigos por exemplo);

-serve para aquela muda de roupa suja que não ousamos descrever a um público mais susceptível e que o sue filho, no cúmulo da sua criatividade, lhe ofereceu;

-pode servir para colocar lápis, canetas, lápis de cera e muitas outros materiais de escola passíveis de explodir ou deixar detritos em qualquer altura (pode deixar um saquinho desse género numa mochila no carro com um caderno de colorir por exemplo, o que é óptimo para entreter os miúdos se tiver que esperar 2 horas nas filas de uma das simpáticas sedes da Segurança Social );

-pode usar para colocar alguns artigos de maquilhagem se não tiver tempo de se maquilhar em casa e a situação o exigir – ajuda a não deixar a sua carteira mais colorida que o habitual;

-não esqueçamos o uso para que foi concebido – pode colocar sandes, fruta, bolachas, etc etc;

-em situações mais desagradáveis (bastante frequentes em mães de crianças com menos de 18 anos), podem ser umas fantásticas luvas de última hora par apanhar tudo o que não posso mencionar aqui;

-podem também ser umas meias fabulosas quando não tem mais meias para colocar ao seu filho ou quando os sapatos estão tão cheios de chichi que não ousa colocar os pés da criaturinha lá dentro sem protecção – pode parecer estranho, mas se enfiar os sacos nos pés e pôr as calças por cima, é uma óptima solução temporária que não se vê e que manterá o seu filho perfeitamente fascinado e interessado tempo suficiente para lhe fazer duvidar se ele será mesmo hiperactivo e dar-lhe-á aqueles 30 segundos de paz de que tanto precisava;

-quase me esquecia: também pode lá colocar comida para congelar.

Para já não me ocorrem mais usos, mas sei que há muitos mais à espera de serem descobertos… basta um pouco de imaginação e uma pitada de desespero!

Boa Terça e Boas ideias!

SACOS

Sobre o Autor:

Decidida, perseverante e viciada em desafios, mãe de 3 filhotes e esposa de italiano, a Rita é também, nas horas vagas, licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas e Portuguesas, um curso que, indirectamente, a impulsionou a descobrir o mundo, ainda inexplorado, dos dispositivos médicos e da criopreservação de células estaminais, onde exerceu um papel de relevância no apoio logístico. Teve desde cedo o bichinho da organização, com a mania de querer sempre melhorar tudo e encontrar soluções para toda a gente e foi nesses dois âmbitos dos serviços médicos que começou a perceber que havia ali algum padrão reconhecível e caminho a singrar. Acabou a seguir o trilho de Professional Organizer, profissão ainda desconhecida em território português, fez formação nos Estados Unidos e tornou-se numa das POs pioneiras em Portugal, com formação certificada pela NAPO (National Association of Professional Organizers) da qual é também membro. Já andou pelo Consulado de Itália no Porto e pelo ramo imobiliário, mas é na OrganiGuru, a escrever o seu blog de ideias de organização (OrganiBlog) e a ajudar clientes a organizarem-se melhor que a Rita se sente como peixe dentro de água. Perita também na gestão de projectos e pessoal, nos seus tempos livres adora viajar e aprender novas línguas, deixar no perfil do FB as mil e uma ideias que lhe passam pela cabeça, resolver o cubo de Rubik 3x3 (quase) em apneia e aventurar-se pelo mundo da pastelaria, a sua catarse e terapia pessoal, sobretudo se envolver chocolate com 70% de sólidos de cacau. E uma cervejinha artesanal.

Deixa o teu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.