Quarta Farta – Pegadas verdes (1)

No início de mais uma primavera, é quase impossível passar ao lado das transformações que ocorrem à nossa volta. A vontade de nos enfiarmos num escritório debruçados sobre a nossa secretária diminui e sentimo-nos constantemente chamados a participar e a partilhar essa natureza maravilhosa que cresce a olhos vistos e embeleza-se de aromas, cores e sensações.

Uma natureza que nos dá tanto e que recebe tão pouco de nós, todos os dias, mas cabe a nós essa transformação das nossas atitudes ao sabor dos solavancos próprios da estação.

Nesta Quarta Farta lançamos um desafio a todos aqueles a não passa despercebido este chamamento. Chamemos-lhe o desafio dos 10 Res e em cada Quarta falaremos de 2 deles. Aqui estão os 2 Res desta semana:

0. Respeitar

Todas as relações começam com o respeito. Sem este sentimento de mútuo entendimento e devoção sacramental nada se constrói e nada evolui. A nossa relação com o ambiente deve ter por base esse alicerce essencial. Afinal de contas é graças à natureza que nós sobrevivemos e nutre por nós um profundo respeito como seres pertencentes a um ciclo, porque não responder com o mesmo respeito?

1. Reciclar

Comecemos pelo mais básico dos verbos. Hoje em dia é quase um crime moral não separar o próprio lixo. Não vou aqui repetir os rios de palavras já pronunciadas sobre o assunto. Separe os plásticos, os vidros, o cartão e o metal e siga as cores correspondentes para isso. Crie um horário para esvaziar os caixotes de sua casa, faça uma tabela de divisão de tarefas, discuta soluções e sugira as transformações necessárias no condomínio para que a reciclagem possa ser algo tão vital como o uso do elevador ou a limpeza semanal das escadas. Lembre-se que também pode reciclar:

  • os óleos domésticos usados;
  • os pneus do carro;
  • os electrodomésticos leves e pesados;
  • os medicamentos e as radiografias;
  • as lâmpadas;
  • etc.
  • Último conselho: sempre que possível e se tem familiares ou amigos que façam aproveitamento de lixo orgânico para compostagem ou outros fins, recolha à parte todo o seu lixo orgânico.

    2. Recuperar

    Já fez a conta aos litros de água que gasta todos os dias? Ainda não? Quando as fizer, perceberá porque é tão importante este verbo. Recuperar é a palavra de ordem do século 21 e, no caso da água, prioritário. A Onu disse em 2009 que em 20 anos faltará água para 60% do mundo, portanto urge uma resposta. Deixamos aqui alguns conselhos, começando pelo início do dia:

  • prefira sempre o duche ao banho de banheira;
  • se tiver que deixar correr um pouco a água antes de ela chegar à temperatura desejada, o que acontece nas casas com um andar, deixe-a escorrer para dentro de um balde ou garrafão – mais tarde a água pode ser utilizada para lavar o chão, cozinhar (dependendo da potabilidade), para regar o jardim ou como substituto da água do autoclismo (em vez de puxar a água, deite a que ficar no balde);
  • se tiver filhos pequenos e lhes der banho de banheira, aproveite a água do fundo da banheira como água para a sanita (ver anterior);
  • lave os dentes com a torneira desligada SEMPRE;
  • deixe a loiça de molho no mínimo de água possível – quando a meter na máquina só precisará de passar o esfregão sem ter necessidade de voltar a gastar mais água;
  • se tiver jardim, regue-o nas horas de menos calor (de manhã cedo ou a partir da 18:00);
  • a rega gota a gota gasta menos do que a rega automática por aspersores, se o caso permitir;
  • use água quente para as suas limpezas – as manchas saem mais rápido e nãõ precisa de gastar tanta água;
  • evite programas de máquina (de loiça e de roupa) que utilizem água em demasia – precisa mesmo de tanta água para ter os objectivos que pretende?.
  • Há uns anos surgiu uma peculiar campanha no Brasil com um novo conceito de poupança da água: sugeria que os chichis matinais fossem feitos directamente no duche com a água já a correr, enquanto toma banho. A urina é estéril, portanto é uma boa ideia para evitar uma descarga de sanita que gasta, em média, 12 litros. Pode também fazer como dizia muito bem Dustin Hoffman no filme Meet the Fockers: If it’s yellow, let it mellow, if it’s brown, flush it down!

    Para a semana falaremos nestes 2 Res: Reutilizar e Reduzir. O seu trabalho de casa é pensar o que significam estes dois verbos para si, como se definem.

    Boa Quarta e Boas Reciclagens!

    PEGADA

    Sobre o Autor:

    Decidida, perseverante e viciada em desafios, mãe de 3 filhotes e esposa de italiano, a Rita é também, nas horas vagas, licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas e Portuguesas, um curso que, indirectamente, a impulsionou a descobrir o mundo, ainda inexplorado, dos dispositivos médicos e da criopreservação de células estaminais, onde exerceu um papel de relevância no apoio logístico. Teve desde cedo o bichinho da organização, com a mania de querer sempre melhorar tudo e encontrar soluções para toda a gente e foi nesses dois âmbitos dos serviços médicos que começou a perceber que havia ali algum padrão reconhecível e caminho a singrar. Acabou a seguir o trilho de Professional Organizer, profissão ainda desconhecida em território português, fez formação nos Estados Unidos e tornou-se numa das POs pioneiras em Portugal, com formação certificada pela NAPO (National Association of Professional Organizers) da qual é também membro. Já andou pelo Consulado de Itália no Porto e pelo ramo imobiliário, mas é na OrganiGuru, a escrever o seu blog de ideias de organização (OrganiBlog) e a ajudar clientes a organizarem-se melhor que a Rita se sente como peixe dentro de água. Perita também na gestão de projectos e pessoal, nos seus tempos livres adora viajar e aprender novas línguas, deixar no perfil do FB as mil e uma ideias que lhe passam pela cabeça, resolver o cubo de Rubik 3x3 (quase) em apneia e aventurar-se pelo mundo da pastelaria, a sua catarse e terapia pessoal, sobretudo se envolver chocolate com 70% de sólidos de cacau. E uma cervejinha artesanal.

    Deixa o teu comentário

    Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.