Sexta em Festa – Festejando a criançada (1)

Nas próximas Sexta em Festa queria dedicar-me mais a escrever sobre a criançada.

Em todos os meus artigos faço questão de falar sempre no importante factor filhos porque sei que grande parte das nossas desventuras no campo da organização começa ou complica-se quando temos de organizar a vida dos outros para além da nossa.

Nestas próximas semanas, pretendo dedicar-me por completo ao tema das Festas de Crianças e qual a melhor maneira para as organizar para não chegar ao final da festa com o mesmo aspecto do tapete-vaca da Ikea que tem na sala de estar. Sendo assim, eis as 3 primeiras sugestões:

Um mês antes

1. Faça uma lista de convidados com antecedência

Não corra o risco ou o erro colossal de não saber de antemão quantas crianças vai ter na festa do seu filhote. Há descrições bem detalhadas nos anais da história de festas de miudagem que acabaram em tragédia e desastre nacional devido ao número exagerado de mini-convidados e respectivos pais. Lembra-se do que aconteceu a Robin Williams no filme Mrs Doubtfire? Imagine-se no papel de mãe e já fica com uma ideia…

Faça uma lista de convidados e tenha em conta que se convidar crianças pequenas, terá também de convidar os pais, portanto conte sempre com mais uma ou duas pessoas por cada criança pequena. Faça grupinhos e ligações entre os vários amigos dos vários núcleos (da ginástica, do pós-escola, dos primos, etc) – há sempre um ou mais elementos comuns. Este pequeno exercício de ginástica (ou yoga) mental assegura-lhe que não haverá nenhum miúdo que não tenha com quem brincar, embora acabe sempre (SEMPRE) por haver desavenças entre miúdos nas festas e há sempre um que fica posto de parte.

Lembre-se que a sua lista de convidados tem de ter um número razoável, equilibrado. De nada lhe serve convidar a turma toda do seu filho se vive num T2 ou se está sozinha. Olhe à sua volta e veja quantas pessoas pode sentar, quantas zonas da casa pode dispor e, só depois, calcule quantas pessoas no total (adultos e crianças) poderá convidar.

Finalmente, tenha atenção a quota adulto / crianças. A não ser que esteja a planear algo parecido com uma fábrica de sapatilhas no Paquistão, não planeie uma festa com 50 crianças e 3 adultos porque os resultados serão semelhantes a fazer um batido na Bimbi sem pôr a tampa…

2. Decida se a festa vai ter um tema ou não

É importante verificar se o seu filho prefere uma festa com tema ou se há alguma festa tradicional próxima da data da festa que a leve por esse caminho (Carnaval, por exemplo). Não convém muito decidir-se em cima do joelho, acaba com crianças desconsoladas e pais com birras e nós não queremos isso. Se optar por uma festa com tema, escolha algo simples e factível que não tenha de a obrigar a transformar-se numa Martha Stewart com ligeiros ataques de esquizofrenia.

As crianças adoram as coisas mais simples (o meu mais novo diverte-se horas a fio com a porta do frigorífico, por exemplo), portanto não vale a pena começar já a fazer uma cabeça de dragão chinês em papier maché. Discuta esse tema com os restantes pais, peça ajudas e sugestões e planeie o que vai usar, como vai vestir, quem vai fazer o quê. O segredo está em fazer um pouco de cada vez vários dias antes da festa.

E, last but not least, estabeleça um orçamento: nada nos faz bater no fundo do poço da realidade como uma festa que nos saíu demasiado cara. Obrigue-se a fazer contas e a adequar o que quer fazer com o que pode gastar (a não ser que uma das avós dê uma ajudinha nesse sentido).

3. Fixe uma data para a festa atempadamente

Faça questão de marcar uma data com bastante antecedência, de preferência um mês a três semanas antes. Verifique se é uma data que acomoda bem as disponibilidades da maioria, mas sobretudo as suas e da sua família. Tenha atenção aos horários dos mais pequenos e também aos horários de trabalho dos adultos. Se possível marque a um dia de fim-de-semana mas sem tirar o tempo de cada família. Vá perguntando e questionando os convidados para chegar a um acordo. Se tiver contacto dos mesmos no Facebook, poderá criar um grupo e colocar várias datas para as pessoas escolherem e chegar a um acordo “democrático” – chama-se social media por alguma razão, não é verdade, não é só para chatear os amigos com a famigerada ovelha perdida…

Depois de marcada a data e mandados os convites não fique sentada à espera, sobretudo porque não lhe faz bem à saúde ficar tanto tempo sentada… telefone e mande mensagens, pelo menos duas vezes (uma 2 semanas antes e outra na própria semana), a pedir respostas. Seja chata. Afinal de contas é a festa do seu pequeno, ora bolas!

Na próxima semana falarei também de algumas ideias divertidas para os convites e lembretes.

Boa Sexta e Boas Festas!

KIDPT
“A mãe do João não me teria dado ouvidos se eu tivesse dito Por favor e Obrigada – ela estava demasiado ocupada a gritar por ajuda…”
 

Sobre o Autor:

Decidida, perseverante e viciada em desafios, mãe de 3 filhotes e esposa de italiano, a Rita é também, nas horas vagas, licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas e Portuguesas, um curso que, indirectamente, a impulsionou a descobrir o mundo, ainda inexplorado, dos dispositivos médicos e da criopreservação de células estaminais, onde exerceu um papel de relevância no apoio logístico. Teve desde cedo o bichinho da organização, com a mania de querer sempre melhorar tudo e encontrar soluções para toda a gente e foi nesses dois âmbitos dos serviços médicos que começou a perceber que havia ali algum padrão reconhecível e caminho a singrar. Acabou a seguir o trilho de Professional Organizer, profissão ainda desconhecida em território português, fez formação nos Estados Unidos e tornou-se numa das POs pioneiras em Portugal, com formação certificada pela NAPO (National Association of Professional Organizers) da qual é também membro. Já andou pelo Consulado de Itália no Porto e pelo ramo imobiliário, mas é na OrganiGuru, a escrever o seu blog de ideias de organização (OrganiBlog) e a ajudar clientes a organizarem-se melhor que a Rita se sente como peixe dentro de água. Perita também na gestão de projectos e pessoal, nos seus tempos livres adora viajar e aprender novas línguas, deixar no perfil do FB as mil e uma ideias que lhe passam pela cabeça, resolver o cubo de Rubik 3x3 (quase) em apneia e aventurar-se pelo mundo da pastelaria, a sua catarse e terapia pessoal, sobretudo se envolver chocolate com 70% de sólidos de cacau. E uma cervejinha artesanal.

Deixa o teu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.