Sexta em Festa – Festejando a criançada (4)

Então estamos com alguns nervos à flor da pele? Agora só faltam 2 dias para a festa (e para alguns faltará só 1 dia) e as coisas começam a complicar-se consideravelmente, mas com um pouco de organização, fé e água benta tudo se resolve (segundo as leis de Lavoisier até se transforma… esperemos que seja nalguma coisa positiva, pelo menos).

1 a 2 dias antes

1. Prepare as decorações e as prendinhas

Esta é uma daquelas situações que nós achamos poder fazer à última, tipo à distância de alguns minutos do início da festa. Pois claro. Nós até somos umas super-mulheres com poderes fascinantes e capazes de proezas que metem os doze trabalhos de Hércules a um canto, não é? Deixe-se disso.

Antes de mais, deverá já ter decidido, organizado e comprado (ou não, se aproveitar o que tem em casa) o que serão as decorações e as prendinhas para a festa. Muito importante. Faça desenhos, pergunte ao seu filho, planeie que recursos vai usar, algum tempo antes, quando estiver a decidir-se sobre o tema da festa (já falámos sobre isso há umas semanas).

Agora a única coisa a fazer é colocar tudo em cima de uma mesa seleccionada para o efeito, separar os itens a utilizar por tipo de uso: utensílios, materiais, bases e outros. Deixe também um espacinho para os lixos e uma zona individual para cada pessoa.

Para a ajudar, recrute a tia com jeito para a coisa e tempo para gastar, o sobrinho de belas artes com algumas ameaças ou uma boa dose de suborno, a avó com energia a mais e medicação a menos, o canalizador que veio arranjar-lhe a banca da cozinha, as testemunhas de Jeová que por lá passavam a deixar livros e panfletos com aquelas imagens engraçadíssimas desenhadas com o dedo mindinho do pé ou o(s) seu(s) filho(s) depois de assinar(em) um termo de responsabilidade, válido pelo menos até aos 18 anos e com uma boa clausula de Sanções e Coimas.

Lembre-se de ir limpando e arrumando tudo o que já não for preciso à medida que o processo de fabrico vai evoluindo, tal como acontece numa fábrica. Quanto maior for o volume das decorações ou prendinhas que quererá fazer, maior terá de ser a organização e a logística dos procedimentos. No entanto, o uso do chicote e de megafone não serão com certeza necessários nem se recomendam para este tipo de situações. Não convém muito deixar provas do crime para limpar e arrumar para o dia seguinte, é mais uma coisa a acumular ao caos fatídico e certo que irá tomar lugar na sua casa no dia-D.

Este site está infestado de soluções de decorações que não levam muito tempo e são fixezinhas. Com os cumprimentos da Sra D. Martha Stewart. Who Else? Quanto às prendinhas, este site está cheio de ideias para experimentar.

Também tem aqui uma ideia para saquinhos de prendas muito engraçados, para quem (ainda) gosta da Rua Sésamo :

il_fullxfull.212690664

2. Faça os últimos telefonemas

Aproveite estes últimos dias para fazer os últimos telefonemas para:

-confirmar presenças: sobretudo daquelas pessoas que desconhecem ainda o que é um telemóvel, como funciona e que serve para comunicar com outros seres humanos;

-enviar avisos de extrema importância para os convidados: se o tema da festa era o conto de fadas “O rei vai nu!” – com máscara obrigatória – e foi cancelado, convém avisar, pode ser motivo de alguns aborrecimentos;

-comunicar algum evento específico determinante para a ocasião: a presença do cómico Ricardo Araújo Pereira na festa pode ser agradavelzinha para algumas pessoas, vá;

-pedir ajuda: especialmente eficaz em caso de perda de consciência, perda abundante de sangue, perda de juízo…

images

3. Prepare o bolo de aniversário e outras coisas chatas e complicadas de fazer

Se estiver a pensar fazer um bolo com 27 camadas ou com o formato de algum dos protagonistas da Saga Twilight…. não o faça. Por favor. Primeiro pense em si e nos esforços que requerem para fazer um bolo que vai muito para além das suas capacidades (27 camadas? A sério??). Depois, pense no trauma que causará a quem tenha que comer uma fatia de um item de pastelaria com a segunda narina do Robert Pattinson (tive de confirmar o nome na net porque pratico uma atitude de ignorância saudável relativamente a certos e determinados assuntos).

Vá para uma confecção simples com alguns truques que façam parecer mais do que aquilo que é, à maneira das bugigangas das lojinhas de shopping que passam por verdadeiras. Se quer o efeito Uau! concentre-se numa decoração mais original, até com coisas compradas ou algumas dicas da net ou de algum vizinho mais prendado. Neste site encontra algumas soluções de decorações que não levam muito tempo e são fixezinhas.

Em todo o caso, convém que tudo seja feito no dia anterior, deixando para o dia da festa só o que não pode mesmo aguentar um dia no frigorífico ou fora. O gelado, as sandes e a escultura de gelo em forma de cisne são alguns exemplos. Organize as suas ajudas, mais uma vez, e seccione a cozinha por zonas: lavagem e secagem de loiças e quejandos, confeccão de doces, confecção de salgados, cantinho do desespero, cantinho das bijecas – pegado ao cantinho do desespero, obviamente. Faça horários, estabelecendo hora de início, hora de fim e hora de pausa.

Convém também ir organizando o seu frigorífico para o efeito e para cada coisa: uma situação a evitar é ter o bolo de aniversário com umas gotinhas interessantes do molho picante das asinhas de frango que colocou na prateleira de cima: é chato. Escrevemos sobre esse assunto há umas semanas, dê uma espreitadela (link).

Na sua lista de pratos a confeccionar (se não tem uma, leva nas orelhas: vá já fazê-la!), vá riscando o que já foi feito e está pronto a servir, o que precisará de mais uns retoques só possíveis no próprio dia e o que será feito na íntegra também no dia da festa.

E chegamos ao fim de mais um dia na contagem decrescente! Na próxima semana, palraremos sobre o dia tão esperado (?).

Boa Sexta e Bons Truques!

stones-party-pic

“Mas quem é esta gente??”

 

Sobre o Autor:

Decidida, perseverante e viciada em desafios, mãe de 3 filhotes e esposa de italiano, a Rita é também, nas horas vagas, licenciada em Línguas e Literaturas Clássicas e Portuguesas, um curso que, indirectamente, a impulsionou a descobrir o mundo, ainda inexplorado, dos dispositivos médicos e da criopreservação de células estaminais, onde exerceu um papel de relevância no apoio logístico. Teve desde cedo o bichinho da organização, com a mania de querer sempre melhorar tudo e encontrar soluções para toda a gente e foi nesses dois âmbitos dos serviços médicos que começou a perceber que havia ali algum padrão reconhecível e caminho a singrar. Acabou a seguir o trilho de Professional Organizer, profissão ainda desconhecida em território português, fez formação nos Estados Unidos e tornou-se numa das POs pioneiras em Portugal, com formação certificada pela NAPO (National Association of Professional Organizers) da qual é também membro. Já andou pelo Consulado de Itália no Porto e pelo ramo imobiliário, mas é na OrganiGuru, a escrever o seu blog de ideias de organização (OrganiBlog) e a ajudar clientes a organizarem-se melhor que a Rita se sente como peixe dentro de água. Perita também na gestão de projectos e pessoal, nos seus tempos livres adora viajar e aprender novas línguas, deixar no perfil do FB as mil e uma ideias que lhe passam pela cabeça, resolver o cubo de Rubik 3x3 (quase) em apneia e aventurar-se pelo mundo da pastelaria, a sua catarse e terapia pessoal, sobretudo se envolver chocolate com 70% de sólidos de cacau. E uma cervejinha artesanal.

Deixa o teu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.